gilmar mends e dias tóffoli

Urgente: Dias Tóffoli defende “Estado Mínimo” e dá uma guinada à direita

O Ministro Dias Tóffoli do Supremo Tribunal Federal, entrevistado pelo Estadão, perguntado : ” O sr. não guinou à direita depois de vir para cá?  Respondeu: Eu meu tornei mais liberal. Esse tanto enorme de processos judicializados talvez fosse desnecessário se houvesse menos Estado e mais sociedade civil.


Este conteúdo é produzido por CristalVox. Apoie nosso trabalho curtindo nossa página

O Ministro Dias Tóffoli do Supremo Tribunal Federal, entrevistado pelo Estadão, perguntado : O que lhe parece o juiz Sérgio Moro?  Respondeu:  Parece uma pessoa extremamente preparada.

Dois ministros José Antonio Dias Toffoli – um pintado, na parede; outro fotografado, na mesinha de vidro – ilustram a sala de espera de seu amplo gabinete no quarto andar do anexo 2 do Supremo Tribunal Federal, onde recebeu o Estado na noite da quinta-feira passada. As imagens regulam por outubro de 2009, ano em que chegou à Corte, com 41 anos, indicado pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e aprovado pelo Senado.

Lá se vão quase sete anos. O ministro ficou grisalho, introjetou profundamente a garantia constitucional da vitaliciedade – “Estando aqui você não deve nada a ninguém” – e ganhou em ponderação e, com trocadilho, empoderamento.

“Um juiz tem de ter sobriedade. E um juiz de Suprema Corte tem de ter sobriedade de sobra, paciência e couro curtido”, respondeu, por exemplo, para explicar sua sóbria reação, em agosto passado, ao ver-se, na capa da revista Veja, em acusação relacionada à Operação Lava Jato (empreiteira delata ministro do Supremo).

“Fiquei completamente chocado, a matéria era um vazio, não tinha absolutamente nada, mas, enfim, a gente sabe que apanha quando está num cargo desses”, disse. “Aqui nós desagradamos a muitas pessoas. Tenho colegas aqui que já foram ameaçados.”

A Operação Lava Jato acabou sendo o tema principal da entrevista. O ministro a defendeu como enquadrada nas leis, criticou as críticas e atribuiu a profundidade das investigações a uma melhoria da legislação. “Jamais existiria a Lava Jato se não houvesse as leis aprovadas nos últimos anos pelo Congresso Nacional, e sancionadas pelos últimos presidentes da República.”

Leia a entrevista realizada pelo jornalista Luiz Maklouf Carvalho, publicada neste domingo no jornal O Estado de São Paulo

http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,lava-jato-nao-e-golpe-ou-excecao-afirma-toffoli,10000081072