lula dilma palocci boa

Uma máquina CORRUPTA chamada PT

Definitivamente há algo de podre no longo reinado petista de quase 14 anos governando o País. O Partido dos Trabalhadores, cada dia fica mais evidente, usou a máquina estatal de maneira criminosa como nenhuma outra agremiação na história.


Este conteúdo é produzido por CristalVox. Apoie nosso trabalho curtindo nossa página

Os operadores de desvios do PT. Título do editorial da revista ISTO É, assinado por Carlos José Marques, diretor editorial da Editora Três, sem rodeios “desnuda” o mundo corrupto do Partido dos Trabalhadores.

Definitivamente há algo de podre no longo reinado petista de quase 14 anos governando o País.

A prisão de dois de seus ministros da Fazenda, em sequência, dentro da Operação Lava Jato desfraldou para o Brasil como funcionava – nos limites do impensável – a engrenagem operacional do Partido na busca de financiamento ilegal para garantir a sua perpetuação no poder.

Antônio Palocci foi parar atrás das grades, logo após Guido Mantega, ao ficar demonstrado que a pasta reiteradamente serviu, pelas mãos deles, de arrecadadora de fundos na troca por “favores” lucrativos aos interlocutores. Palocci atuou como intermediário em negócios escusos que, de uma única empreiteira, arrancou pelo menos R$ 128 milhões, conforme apuraram os investigadores. Enquanto isso, enriqueceu. Teve uma das mais fulgurantes carreiras de “consultor” de que se tem notícia, facilitando os contatos entre clientes e os governos de Lula e Dilma, aonde manteve livre acesso mesmo após deixar o posto envolto em escândalos.

Disse o juiz Sérgio Moro em seu despacho que o ex-ministro mergulhou em um “mundo de sombras” e usou os mais altos cargos da República e campanhas eleitorais para achacar empresários.

O modesto médico de Ribeirão Preto, o “italiano”, como era chamado nos emails, chegou longe. Deu método e sistemática imorais ao relacionamento da sigla PT com o mundo empresarial. Como interlocutor preferencial foi depois sucedido por Mantega que, diligentemente, atendendo a determinação dos mandatários a quem serviu, levou adiante a montagem e execução do esquema.

A Polícia Federal liga Mantega a propinas que somam R$ 50 milhões. Os guardiões da economia, agora se sabe, trataram primeiro de garantir os interesses da sigla, dos aliados e seus próprios antes de zelar pela estabilidade.

O Partido dos Trabalhadores, cada dia fica mais evidente, usou a máquina estatal de maneira criminosa como nenhuma outra agremiação na história. De forma premeditada corrompeu o sistema. Não por menos, três tesoureiros petistas, dois ministros da Fazenda e vários chefes da Casa Civil foram parar atrás das grades ou estão em vias disso. Um plantel digno de Ali Babá e os 40 Ladrões.

Nos gabinetes da Casa Civil petista o controle da “propinocracia” alcançou o ápice. É surpreendente o número de titulares da pasta pegos em ações delinquentes. A começar por José Dirceu entram na lista Erenice Guerra, Palocci (de novo!), Aloizio Mercadante e a senadora Gleisi Hoffmann, essa última transformada em ré por corrupção, na semana passada, junto com o marido, o também ex-ministro Paulo Bernardo.

O reflexo dessa propensão delituosa do Partido pode ser notado nas eleições municipais, onde ele experimenta desempenho medíocre. O PT não apenas encolheu dramaticamente seu prestígio junto à opinião pública. Os parcos candidatos que se habilitaram à disputa ainda tiveram de esconder até mesmo a filiação nas peças de campanha para não serem massacrados.

No Rio de Janeiro, sequer foi lançado um candidato próprio. O mesmo ocorrendo em Salvador, Aracaju e São Luís. Nas principais capitais, o desempenho petista é deprimente e ele almeja emplacar somente um prefeito na longínqua cidade de Rio Branco, no Acre. Em Garanhuns, onde Lula nasceu, e em São Bernardo do Campo, onde ele mora, o PT sai derrotado na eleição.

E nada se compara à fragorosa surra na maior das capitais, São Paulo, na qual o candidato e atual prefeito, Fernando Haddad, sequer ameaçou a liderança. A indigência política que está a exigir uma refundação do Partido é fruto, inegavelmente, da desfaçatez com que esse grupo tentou assaltar os cofres do País. Preço alto a pagar.

Carlos José Alves

Carlos José Marques é diretor editorial da Editora Três