teori procuradores

Teori Zavascki “AMEAÇA” e “CONSTRANGE” publicamente Procuradores da Lava Jato

O Díário do Poder, liderado por Cláudio Humberto e sua qualificada equipe de colaboradores explora na manhã desta quinta, 06 de outubro, o comportamento “estranho e parcial” do Ministro Teori Zavascki em relação aos Procuradores do Ministério Público Federal que atuam na Lava Jato. Teori, mais preocupado com o destino de Lula do que com o do Brasil, tenta “fragilizar” o MPF e fazer “medo” aos jovens e competentes Servidores do Estado que colocaram “suas cabeças à premio” em busca da verdade e da Justiça.


Este conteúdo é produzido por CristalVox. Apoie nosso trabalho curtindo nossa página

O Critalvox RECOMENDA uma leitura muito acurada no texto do Diário do Poder.

“Chamam de “espetáculo midiático” coletivas que acontecem desde a primeira fase. Lava Jato sempre fez isso, mas ao acusar Lula, o inimputável …

A cada fase da Operação Lava Jato, nos últimos dois anos, desde março de 2014, a força-tarefa reúne a imprensa e concede coletiva para explicar detalhes das investigações, informando as razões das prisões, da motivação, das circunstâncias e se deixando crivar de perguntas de jornalistas. Em vez de o ritual democrático merecer destaque por tornar o processo transparente, passou a ser chamado de “espetacularização” quando os promotores convocaram nova coletiva para explicar as razões do indiciamento do ex-presidente Lula por crimes como corrupção.
Queiram ou não seus críticos, a Lava Jato avança e os dados do MPF provam isso. Já foram 1.397 procedimentos instaurados, 654 buscas e apreensões, 174 conduções coercitivas, 76 prisões preventivas, 92 prisões temporárias e 6 prisões em flagrante. Além disso, já foram 49 acusações criminosas contra 239 pessoas físicas. Até hoje já hoive 106 condenações na Lava Jato.

Mas, sempre que um investigado é denunciado, os pocuradores retomam a rotina das coletivas para explicar a iniciativa. Foi assim em 6 de maio deste ano, quando o ex-senador Gim Argello, o empresário Ronan Maria Pinto, o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares e nomes ligados às maiores empreiteiras do País, como Marcelo Bahia Odebrecht e Léo Pinheiros, da OAS, foram os alvos.

Em 14 de maio, a situação se repetiu quando os ex-deputados Pedro Corrêa (ex-PP-PE), sua filha Aline Corrêa (PP-SP), André Vargas (ex-PT-PR) e Luiz Argôlo (afastado do SD-BA) foram denunciados.

A única coletiva que rendeu críticas à força-tarefa, inclusive do ministro-relator Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal STF), foi no caso da denúncia do ex-presidente Lula por lavagem de dinheiro e corrupção, no fim do mês passado. É como se Lula estivesse acima da lei, como se fosse inimputável.

Os petistas atacaram os procuradores e usaram primeiro a expressão ‘espetacularização’,adotada sem demora por setores que estavam ansiosos por um pretexto para fazer um gesto de solidariedade aos investigados por roubarem o País. Tudo porque Deltan Dellagnol voltou a explicar pedagogicamente, usando inclusive os recursos de powerpoint, para apresentar a denúncia e as ramificações do esquema criminoso ligado a Lula.

Além de criticar, os petistas e outros setores a serviço dos investigados que são contra a Lava Jato também descontextualizaram as frases da entrevista e disseminaram tópicos como “não temos provas, mas temos convicção”, o que nunca foi dito. Nessa situação, a Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) divulgou nota repudiando o caso.

Até tu, Teori?
Já o ministro Teori Zavascki negou uma manobra pretendida pela defesa de Lula, que mais uma vez tentava fugir do alcance do rigoroso juiz federal Sérgio Moro, mas, em compensação, chamou de “espetáculo midiático” a entrevista coletiva habitual, que ganhou repercussão por atingir Lula, o “inimputável”. A crítica do ministro mereceu mais destaque na imprensa do que sua decisão, negando a pretemsão do ex-presidente. Afirmou Zavascki em seu dstacho:

“Eu gostaria de fazer uma observação que parece importante: nós todos tivemos a oportunidade de verificar um espetáculo midiático de forte divulgação se fez lá em Curitiba não com a participação do juiz, mas com o Ministério Público e Polícia Federal, que se deu noticia de organização criminosa colocando presidente Lula como líder dessa organização criminosa. (…) Essa espetacularização do episódio não é compatível com aquilo que é objeto da denúncia nem com a seriedade que se exige na apuração desses fatos”.

Investigados adoraram
Os investigados, é claro, aproveitaram para se associarem às críticas criticam a operação. Em 20 de setembro, Renan Calheiros (PMDB-AL), presidente do Senado e réu na Lava Jato, disse que a operação é um “avanço civilizatório”, mas que “precisa separar o ‘joio do trigo’ e acabar com o ‘exibicionismo'”.

Em agosto, o deputado Wadih Damous (PT-RJ), militante da defesa de correligionários acusados de corrupção, também foi na onda e fez uma crítica à Lava Jato e ao juiz Moro. “Quando iniciei na advocacia, o juiz só falava nos autos, não se manifestava. Estes tempos, para mim, são muito estranhos”, afirmou.