Temer “se esconde” antes que exploda a bomba da Odebrecht

À espera que uma nova onda de acusações de corrupção se abata sobre Brasília, o presidente Michel Temer construiu um bunker para limitar o potencial nocivo que as temidas delações da cúpula de Odebrecht pode ter sobre seu governo. O nome do presidente e alguns de seus aliados estão entre os citados nas delações premiadas dos 77 altos executivos da Odebrecht.

“A aproximação do tsunami levou o governo a acionar o plano de emergência”, afirmou Bernardo Mello Franco, colunista da Folha de São Paulo.

“A ordem é reforçar os diques e tentar proteger os amigos com boias e coletes salva-vidas”, acrescentou.




Temer nega qualquer envolvimento e, como presidente em exercício, não pode ser processado por delitos que supostamente ocorreram antes de assumir seu cargo. Mas, com um grande número de colegas potencialmente envolvidos, o escândalo pode complicar sua situação e, além do mais, o MP calcula que o número de investigados poderá dobrar.

Conteúdo Uol – Foto de Andressa Anholete