gleisi e andré Vargas

Superior Tribunal de Justiça tem Ministro indicado por André Vargas, Gleisi Hoffmann e Paulo Bernardo. Foi ele quem soltou Cachoeira, Cavendish e outros…

O Ministro Nefi Cordeiro do STJ  não merecia isso: Ser indicado para a Corte  pelo presidiário André Vargas, o ex-deputado do PT cassado pela Câmara, pelos “quadrilheiros” Senadora Gleisi Hoffmann  e seu marido Paulo Bernardo, integrantes da “máfia dos consignados”  que roubaram dinheiro  de aposentados e funcionários públicos.


Este conteúdo é produzido por CristalVox. Apoie nosso trabalho curtindo nossa página

Quando da indicação de Nefi Cordeiro para o STJ, o jornalista Esmael de Moraes recebeu a seguinte mensagem:

“O deputado federal André Vargas (PT), vice-presidente da Câmara, em contato com o blog na noite desta quarta (12), afirmou que a indicação do paranaense Néfi Cordeiro para o cargo de ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) é “obra” ex-ministra da Casa Civil e atual senadora Gleisi Hoffmann (PT).

“Na verdade foi esforço coletivo do PT e do ministro Félix Fischer, presidente do STJ, e da Gleisi. Todos nós trabalhamos pela indicação do desembargador Néfi Cordeiro”, disse Vargas.

“Eu uma vitória dos paranaenses que aumentam presença numa corte importante como o STJ”, comemora André Vargas. http://www.esmaelmorais.com.br/2014/02/novo-ministro-do-stj-e-obra-da-gleisi-diz-andre-vargas/.

O Ministro Nefi Cordeiro tem 53 anos. É bacharel em Segurança Pública (oficial da Polícia Militar) formado pela Academia Policial Militar do Guatupê (1983), bacharel em direito pela Faculdade de Direito de Curitiba, atual Centro Universitário Curitiba (1988)[4] , além de mestre (1995) e doutor (2000) pela Universidade Federal do Paraná. Também é bacharel em engenharia civil (1998) pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná.

Foi promotor de Justiça (1989-1990) do Ministério Público do Paraná e juiz de direito (1990-1992) do Tribunal de Justiça do Paraná antes de ingressar na magistratura federal como juiz federal em 1992, sendo promovido ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região em 2002 e em 3 de abril de 2014, foi nomeado pela presidente afastada Dilma Rousseff para uma vaga no STJ.