eduardo saboia

Serra enfrenta “bolivarianos” do Itamaraty e vai promover diplomata perseguido por Dilma

O diplomata Eduardo Saboia, herói brasileiro que salvou a vida do ex-senador boliviano Roger Molina, entrou no Quadro de Acesso para promoção a embaixador. Começa-se a fazer justiça no Itamaraty. Perseguido no governo Dilma, foi deixado no limbo da carreira pela covardia do então chanceler Antônio Patriota, cujo gabinete chegou a ordenar que Molina fosse confinado a um cubículo, durante o longo e penoso asilo de 456 dias da embaixada do Brasil em La Paz.


Este conteúdo é produzido por CristalVox. Apoie nosso trabalho curtindo nossa página

Chefiando interinamente a embaixada de La Paz, Sabóia percebeu que Molina corria risco de morrer. E assumiu o risco de tirá-lo da Bolívia.

A imprensa brasileira noticiou o fato:

“O Ministério de Relações Exteriores puniu, com uma suspensão de 20 dias, o diplomata que ajudou na fuga do senador opositor boliviano Roger Pinto Molina para o Brasil.

A sanção que lhe foi imposta ao diplomata brasileiro Eduardo Saboia pela Corregedoria do Itamaraty foi publicada no boletim interno do órgão nesta sexta-feira, um ano e oito meses depois do incidente que provocou um conflito diplomático entre os países.

A suspensão foi o resultado de um processo disciplinar interno para determinar a responsabilidade de Saboia em um caso de ruptura da hierarquia, por ter ajudado na fuga do parlamentar boliviano sem autorização nem conhecimento do governo brasileiro.

Saboia admitiu aos seus superiores que Pinto Molina foi transportado em um automóvel oficial da embaixada, escoltado por soldados brasileiros, até a cidade de Corumbá, onde chegou em agosto de 2013 sem que o governo boliviano tivesse expedido o devido salvo-conduto.

Dali viajou para Brasília em um avião fretado pelo presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado brasileiro, Ricardo Ferraço, que o recebeu em Corumbá.

A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder e do portal Terra.