Sérgio Moro vai ao “velório” de Dilma no Congresso

Em um dia de esperada turbulência política, o juiz federal Sergio Moro visitará o Congresso Nacional no próximo 4 de agosto, mesma data em que o Senado deve impor mais uma derrota à presidente afastada Dilma Rousseff e aprovar, na comissão especial, o relatório que sustenta o impeachment da petista. Moro, no entanto, deve passar longe das discussões sobre o futuro de Dilma: ele vai à Câmara dos Deputados debater um conjunto de propostas para endurecer a legislação voltada ao combate à corrupção.


Este conteúdo é produzido por CristalVox. Apoie nosso trabalho curtindo nossa página

Relator do chamado pacote anticorrupção, o deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS) se reuniu nesta segunda-feira com Moro para formalizar o convite para o juiz inaugurar os debates sobre a nova legislação. Ao site de VEJA, o parlamentar informou que o juiz responsável pelas investigações da Lava Jato confirmou a presença no dia 4. “Ele fará o primeiro depoimento da comissão e levará as suas contribuições sobre o tema. Nós precisamos construir o maior consenso possível para que esses instrumentos sejam eficientes”, disse Onyx.

A audiência com Moro está prevista para ter início às 9h30, enquanto a comissão do impeachment deve começar às 11h. Após sair do colegiado, o processo por crime de responsabilidade tem de ser votado em plenário para confirmar o impeachment da petista.

No próximo dia 4, os senadores vão se debruçar sobre o parecer do relator Antônio Anastasia (PSDB-MG), que tende a responsabilizar Dilma por irregularidades fiscais durante sua gestão. Apesar de a petista ter tido sua campanha abastecida com dinheiro de caixa dois pago pelo lobista Zwi Skornicki, réu na Lava Jato, conforme afirmou o ex-marqueteiro João Santana em acordo de delação premiada, as implicações do petrolão não devem constar no parecer final.

A poucos metros dali, por outro lado, a comissão que terá a participação de Moro deve discutir, entre outros pontos, justamente medidas para coibir o caixa dois. O pacote em análise prevê a criminalização da prática e a responsabilização dos partidos políticos pela movimentação paralela à contabilidade exigida nas regras eleitorais. O esforço é para que as medidas sejam aprovadas ainda neste ano pela Câmara dos Deputados.

Conteúdo Veja

%d blogueiros gostam disto: