Presidiário NOTA 10! Graduou-se em direito e convidou a juíza para a banca do TCC

Presidiário estuda, gradua-se em direito, faz nota 10 no TCC econsegue vencer a barreira do exame de ordem. Convidou para a banca examinadora do seu TCC,  a juíza que autorizou sua saída para estudar. Um raro caso de determinação e esforço pessoal, flexibilidade do julgador e a prova que ainda existe esperança.


Este conteúdo é produzido por CristalVox. Apoie nosso trabalho curtindo nossa página

O paulista Lincoln Gonçalves Santos, 32, foi condenado a 25 anos e quatro meses de cadeia por latrocínio(roubo seguido de morte) em 2005 – ele se diz inocente. Em 2011 conseguiu aval judicial para estudar. No mês passado ao concluir o curso de direito em São José(SC), convidou para avaliação do seu TCC(Trabalho de Conclusão de Curso) a juíza que autorizou suas saídas, Denise Helena Schild de Oliveira. Ela afirma que é gratificante abrir caminhos e dar oportunidade à ressocialização ” de quem esteve à margem da sociedade”.

Lincoln, graduado e habilitado no exame de ordem,  conta que foi acusado de latrocínio porque encontraram na praia,  um telefone celular que havia vendido, dias antes do episódio.
Em novembro de 2010, durante uma visita da magistrada na cadeia onde Lincoln estava recolhido, ela testemunhou um ato de violência contra o agora advogado. Foi chutado para dentro da cela. Ela, a juíza, “perguntou” se ele tinha sofrido uma agressão, no que Lincoln respondeu: “Não , mas estão com vontade.”

Fazia quatro meses que eu tinha pedido para estudar. Perguntei se ela autorizaria. Se eu podia confiar nela. Ela disse “sim” e perguntou o curso. “Direito”. Ela riu.

Um episódio marcou a graduação de Lincoln. Autorizado para sair das 06h30min e voltar as 13h00 para a cadeia, numa segunda-feira, perguntou para um agente se a autorização já havia chegado. A resposta foi que a permissão que tinha era para “TE ESPANCAR”.
Na terça,  o documento chegou. Foi à aula e para sua surpresa encontrou na turma o agente prepotente, que ao vê-lo ficou “branco e em silêncio”. No entanto, não perdeu a oportunidade de “espalhar” na faculdade que ali estudava um presidiário.

Em abril de 2012, Lincoln ganhou liberdade provisória. Foi trabalhar com uma tia e continuou a estudar. Seu TCC abordou o tema de direitos humanos. Decidiu por “chamar” para a banca examinadora a juíza que o ajudou.

A juíza Denise Helena Schild de Oliveira atendeu ao convite de Lincoln Gonçalves Santos e testemunhou se desempenho. NOTA 10.

Conteúdo Folha. assinado por Jeferson Bertolini e a foto é de Marco Fávero/Folhapress

http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2016/08/1801558-condenado-apresenta-tcc-para-juiza-que-o-autorizou-a-fazer-faculdade.shtm

%d blogueiros gostam disto: