Oito mortes que sepultam a verdade sobre o assassinato de Celso Daniel

Todas as mortes do caso Celso Daniel. Além do ex-prefeito de Santo André, assassinado em janeiro de 2002, sete homens ligados ao caso morreram.


Este conteúdo é produzido por CristalVox. Apoie nosso trabalho curtindo nossa página

O empresário Sérgio Gomes da Silva, o Sombra - 10/12/2003

 Sérgio Gomes da Silva, o Sombra

Acusado de encomendar a morte do ex-prefeito de Santo André Celso Daniel, Sérgio Gomes da Silva, o Sombra, morreu nesta terça-feira após uma longa batalha contra o câncer. Assim que a notícia veio à tona, teorias da conspiração começaram a surgir nas redes sociais levantando dúvidas sobre a causa da morte. Sombra estava internado há cinco dias e se tratava de uma grave doença – nada há de misterioso, portanto, em sua morte. Mas, como em um romance policial, o crime contra Celso Daniel foi de fato seguido por outras sete estranhas mortes que podem ter relação com o caso. Relembre-as a seguir:  Foto –  Jonne Roriz/Agência Estado

carlos delmonte

Carlos Delmonte Printes

Médico legista que emitiu o laudo identificando sinais de tortura no corpo do prefeito, afirmando que Celso Daniel foi embalsamado – o que possibilitaria uma autópsia posterior – e que a real data da morte foi em 19 de janeiro. Printes foi encontrado morto em seu escritório, em outubro de 2005. A Polícia Civil concluiu que o médico cometeu suicídio por causa do fim de seu casamento, ingerindo medicamentos que interromperam sua respiração. Foto – Lawrence Bodnar/Agência Estado

Dionísio Aquino SeveroDionísio Aquino Severo – Líder da quadrilha da Favela Pantanal, foi resgatado por um helicóptero do Presídio Parada Neto, em Guarulhos (SP), dois dias antes do sequestro de Celso Daniel, do qual participou. Foi preso três meses após o crime e afirmou á polícia que tinha revelações a fazer. Antes de contar o que sabia, foi encontrado morto no Presídio do Belém, em São Paulo. Aílton Freitas, um dos presos que fugiram com ele, disse em depoimento que Dionísio havia sido resgatado para cumprir a tarefa de “queima de arquivo” de um “peixe grande” e que o empresário Sérgio Gomes da Silva, o “Sombra” seria o mandante do crime. Foto Monalisa Lins/Agência Estado/Dedoc

 

Sérgio ‘Orelha’ – Escondeu Dionísio quando ele fugiu do presídio de Guarulhos. Foi morto a tiros em novembro do mesmo ano. Foto Epitacio Pessoa/Dedoc)

Otávio Mercier –  Investigador da Polícia Civil que procurava Dionísio após a fuga e conversou com ele pelo telefone às vésperas do sequestro de Celso Daniel. Foi encontrado morto em casa também com marcas de tiros. Foto Epitacio Pessoa/Agência Estado/Dedoc

Antonio Palácio de Oliveira – Garçom que serviu o último jantar do prefeito, em uma churrascaria na região central de São Paulo, do qual Celso Daniel saía com Sombra quando foi sequestrado. Morreu ao chocar a moto contra um poste quando era perseguido por dois homens. Foto Robson Fernandes/Agência Estado/Dedoc

Paulo Henrique Brito –  Testemunha do acidente do garçom, foi morto 20 dias depois. Foto Adriana Elias/Dedoc

Iran Moraes Redua –  Agente funerário que reconheceu o corpo de Celso Daniel em uma estrada de terra em Juquitiba, a 78 quilômetros de São Paulo. Foi morto a tiros em novembro de 2004. Foto Epitacio Pessoa/Agência Estado/Dedoc

 

Conteúdo Veja

%d blogueiros gostam disto: