O “laranja do “tio Lula”

Sobrinho de Lula não explica como empresa recebeu R$ 1,5 milhão. Em inquérito da Operação Janus, Taiguara Rodrigues dos Santos, que tinha contratos milionários com a Odebrecht em Angola, é apontado como laranja de Lula. Veja desvenda o mistério.


Este conteúdo é produzido por CristalVox. Apoie nosso trabalho curtindo nossa página

O empresário Taiguara Rodrigues dos Santos, sobrinho do ex-presidente Lula, é um fenômeno do mundo dos negócios: de uma hora para a outra, passou de vidraceiro falido em Santos a sócio de uma empresa de engenharia de grandes obras em Angola. O salto ocorreu quando o jovem criou a Exergia Brasil, com patrimônio de 1,5 milhão de reais, e assinou contratos milionários com a construtora Odebrecht. Após VEJA revelar essa façanha no ano passado, Taiguara passou a ser investigado. No dia 20 de maio, ele se tornou alvo da Operação Janus — e foi conduzido coercitivamente pela Polícia Federal para esclarecer a origem da sua fortuna suspeita. Quando questionado sobre o capital social de sua empresa, respondeu que era de 2,5 milhões de reais. Não soube explicar como chegou a esse montante, mas garantiu que o aporte não saiu de sua conta bancária. Sugeriu que os policiais ouvissem o contador.

José Emmanuel Camano, o contador da Exergia, contou uma versão diferente. Segundo ele, o capital social da Exergia é de 1,5 milhão de reais, “ tendo a integralização sido feita por João Germano (51%) e Taiguara (49%)”. Ou seja, de acordo com o relato de Camano, o sobrinho de Lula injetou quase metade do 1,5 milhão de reais na Exergia Brasil, mesmo não sabendo explicar direito como ocorreu essa operação financeira, muito menos a origem do dinheiro. Taiguara e seu contador também derraparam em outros trechos de seus depoimentos.

Em outubro de 2015, durante uma audiência na CPI do BNDES, realizada na Câmara dos deputados em Brasília, o empresário disse que visitou Cuba em março de 2014 na companhia de seu primo, Fábio Luis, o Lulinha. Aos parlamentares, Taiguara afirmou que o seu intuito era prospectar negócios, enquanto o filho do ex-presidente curtia as férias no país. O contador da Exergia Brasil, mais uma vez, apresentou outro lado da história: “Que também viajou com o Taiguara e o Fábio, ‘Lulinha’, para Cuba, ocasião em que buscavam potenciais mercados na área de exportação de alimentos, nada tendo sido concretizado”.

E-mails publicados por VEJA no ano passado revelaram que um representante da Agência Brasil de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex) em Cuba chegou a pedir autorização para reservar um espaço numa feira empresarial para que Taiguara e Lulinha se reunissem reservadamente com autoridades do governo local. A direção do órgão, porém, barrou a solicitação. Os investigadores apuram se Taiguara era parceiro de negócios de Lulinha. O site da Exergia Brasil foi criado pela G4, de Fábio Luis. O único cliente conhecido da empresa é a empreiteira Odebrecht.

Conteúdo Veja, editado por  Thiago Bronzatto  – foto Lucio Bernardo Junior/Câmara dos Deputados)

%d blogueiros gostam disto: