O jornalismo moleque e irresponsável da Rede Globo – por Vicente Limongi Neto

Tenho escrito, exaustivamente, e pretendo continuar, sobre o jornalismo irresponsável, leviano, hipócrita e mentiroso, travestido de isento e ético.  Sobretudo da cobertura politica dos jornais, com destaque para o Globo, TV-Globo e Globonews. Tenho frisado, lamentado e repudiado, no meu blog e nos meus artigos, o jornalismo vesgo, indecente, vingativo, , torpe e manipulador, da Globonews, especialmente quando trata do deputado Eduardo Cunha.  Faz tempo que Cunha é o astro e o alvo da vez do espetáculo de crueldade imposto pelo Globo e pela Globonews.


Este conteúdo é produzido por CristalVox. Apoie nosso trabalho curtindo nossa página

Repito que não conheço Eduardo Cunha. Jamais conversei com ele. Apenas não concordo que se pratique um deprimente pseudo jornalismo com ninguém. Televisões e jornais deveriam ter o dever e a obrigação de informar com lisura. Tratam Cunha de forma caluniosa, desprezível e covarde. Analistas e repórteres, que não diferenciam um grão de feijão de um grão de arroz, sentem-se no direito de tripudiar e debochar de Cunha. Deturpam a informação, se julgam donos dela. Falam e escrevem com rancor e ódio. Como se fossem carrascos ou juízes. Não escondem o desapontamento e a tristeza por Eduardo Cunha permanecer lutando para manter o mandato.

O rapazola que entrevistou o Papa , diz que cobre política há 20 anos. A deslumbrada senhora garante que há 25 anos é setorista no Congresso. Ainda é tempo de aprenderem o oficio. Não esmoreçam. O estupendo imortal e fino colunista abre largo sorriso e passa as mãos no bigode. Pelo jeito foi professor dos dois. A propósito, leio com alegria, no Estadão do dia 12, que estou em ótima companhia na empreitada contra o jornalismo indecoroso e cretino.




O radialista Francisco Paes de Barros repudia com firmeza e clareza o mau jornalismo. Paes de Barros ensina que “a dignidade de cada pessoa humana deve ser respeitada. Independentemente do seu erro. Ela não é um objeto. Situação que leva o jornalista autêntico e equilibrado a não se tornar um fariseu”. A seu ver, “para os sensacionalistas pouco importa a ação de caluniar e difamar um ser humano. O que lhes interessa é o espetáculo, é a fama”. Francisco Paes de Barros prossegue impecável e lúcido contra jornalistas de meia pataca, alimentados pela prepotência e pela arrogância: “Julgam em função das suas próprias sensações, em vez de julgarem a luz do espírito e pelo critério do dever. Preferem fontes de vibrações espetaculares, em vez de um manancial de humildade”. Paes de Barros acentua que a pilantragem acostumada a praticar o jornalismo ruim e pernóstico, esquece os conselhos do Papa Francisco: “A soberba compromete toda boa ação”. Meus respeitos ao Francisco Paes de Barros.

Publicado originalmente no Diário do Poder

%d blogueiros gostam disto: