cunha entre policiais

Na prisão, Cunha trocou o terno de grife por uma calça de moleton, uma camiseta e chinelos de dedo

Deprimente, para não dizer”desoladora”, a situação em que se encontra Eduardo Cunha, o todo poderoso parlamentar que comandou,  na Câmara dos  Deputados,  o processo de impeachment e botou “pra correr”  Dilma Rousseff da Presidência da República.  Preso em Curitiba, sua vida de “luxo”, foi transformada num inferno. Confinado num cubículo de 2 x 2 metros quadrados, sem poder manter contato com os demais presos, lhe é permitido sair ao sol por duas horas diárias em horário diferente dos demais detentos.  Marcelo Odebrecht  e Antonio Palocci são seus vizinhos de infortúnio.


Este conteúdo é produzido por CristalVox. Apoie nosso trabalho curtindo nossa página

A mesa farta e cara a que Eduardo Cunha estava acostumado foi substituída por uma quentinha trivial. Nos intervalos,  come bolachas e toma sucos em caixinhas trazidos por Cláudia Cruz e filhos.

O fato mais marcante do curto período em que Eduardo Cunha está “hospedado” na carceragem da Polícia Federal em Curitiba se deu durante a primeira visita de sua mulher. Eduardo Cunha e Cláudia Cruz  se abraçaram e choraram muito,  segundo relato dos carcereiros que fiscalizam as visitas.  A arrogância  foi substituída pelo que mais deprime o ser humano. A Prisão!

Eduardo Cunha desde jovem foi muito vaidoso, segundo amigos próximos. Na cadeia foi obrigado a trocar o terno cortado com exclusividade e confeccionado na Europa por uma calça de moleton usada por um preso, camiseta e chinelas de dedo… Foi um começo terrível!

Procuradores da República, para aceitarem qualquer tipo de colaboração de Eduardo Cunha, exigem informações extraordinárias, ainda não conhecidas na Lava Jato…

Cunha sabe tudo de todos. Escolhe,  15 anos e a verdade ou passará os 30 anos compulsórios de uma condenação de mais de 100 anos.