cláudia cruz cunha cachorro

Mulher de Eduardo Cunha será presa

Documentos obtidos por ISTOÉ mostram que a Procuradoria da República planeja adotar novas medidas contra a mulher do ex-presidente da Câmara, cassado na última semana. O risco da cadeia é iminente.


Este conteúdo é produzido por CristalVox. Apoie nosso trabalho curtindo nossa página

Sem os privilégios de outrora, como gastos de luxo no exterior, contas na Suíça e o foro privilegiado, o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ), cassado pela esmagadora maioria de seus pares, concentra agora suas preocupações em Curitiba. Os principais inquéritos contra ele no Supremo Tribunal Federal (STF) devem se juntar às investigações sobre sua mulher, Cláudia Cruz, e sua filha mais velha, Danielle Dytz da Cunha Doctorovich, que já correm sob a tutela do juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba.

Informações obtidas com exclusividade por ISTOÉ sobre as investigações contra a família Cunha mostram que ele tem motivos de sobra para perder o sono. Conforme apurou ISTOÉ, os procuradores já estudam tomar novas medidas contra Cláudia Cruz. Em 26 de agosto, dias depois que a defesa de Cláudia solicitou acesso à investigação criminal contra ela, a força-tarefa da Lava Jato em Curitiba deu um despacho afirmando que estão em andamento diligências investigativas sigilosas “que podem resultar na postulação de medidas cautelares”. O ofício apavorou Cunha. A preocupação se justifica. Cláudia, até então, havia sido alvo de diversas medidas cautelares, como busca e apreensão, quebras de sigilo e até bloqueio de bens. Em tese, restam poucas opções de medidas cautelares. Dentre elas a mais grave de todas, a prisão. Daí o desespero do ex-presidente da Câmara. Outro temor diz respeito à filha Danielle. Não por acaso, nos últimos dias, sua defesa protocolou um pedido à força-tarefa da Lava Jato para que Cunha, em depoimento, possa “prestar esclarecimentos acerca do modo como a vida financeira da filha foi por ele administrada nos últimos anos”. Com isso, os advogados buscam o arquivamento da investigação contra ela, sob argumento de que tudo seria de responsabilidade do pai, apesar de ela ter um cartão de crédito vinculado a uma das contas na Suíça.

No Palácio do Planalto, a preocupação do presidente Michel Temer agora é sobre como manter o controle do círculo de influência de Cunha na Câmara, notadamente o chamado Centrão, uma vez que o afastamento do deputado é definitivo e que as tensões com o PSDB e o DEM têm se acirrado. Nos últimos dias, congressistas fizeram chegar ao presidente o recado de que esperam uma liberação rápida de emendas, além da nomeação de mais cargos em troca de apoio, antes mesmo das eleições. Além disso, a própria base já sinalizou que dificilmente será aprovado o prazo de 20 anos para congelamento dos gastos previsto na PEC 241 e negocia uma emenda que reduziria o tempo para 7 anos. O desafio será encontrar o equilíbrio entre as demandas urgentes do empresariado e da sociedade e as reivindicações paroquiais dos deputados.
Conteúdo Isto É – Fotos: Pedro Ladeira/Folhapress; Zanone Fraissat/Folhapress