MST invade fazenda de Senadora que votou pelo impeachment

Em discurso na tribuna do Senado, senadora Ana Amélia (PP-RS)

Lembram? Aristides Vera, diretor da Contag, em pleno salão de eventos do Palácio do Planalto, com a presença de Dilma Rousseff avisou que ” os movimentos vão invadir propriedades rurais de políticos que apoiaram o impeachment.”


Este conteúdo é produzido por CristalVox. Apoie nosso trabalho curtindo nossa página

Era fato!
“MST ocupa fazenda que pertenceu a marido falecido de Ana Amélia

Senadora explicou que a propriedade foi vendida em 2014 “e o processo de transferência ao novo proprietário está em fase de conclusão”

A fazenda Saco do Bom Jesus, em Goiás, que pertencia ao falecido marido da senadora Ana Amélia Lemos (PP-RS), Octávio Omar Cardoso, foi ocupada por cerca de 300 manifestantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) na madrugada desta quinta-feira. A informação é do site oficial do movimento.

Conforme o MST, a fazenda foi declarada improdutiva, uma vez que apenas 600 cabeças de gado (conforme a escritura pública) habitavam a área de 1.909 hectares — o que equivaleria a uma lotação de 0,31 cabeça por hectare, considerada baixa pelos militantes. Em nota, a senadora explica que a propriedade foi vendida em 2014 “e o processo de transferência ao novo proprietário está em fase de conclusão”.

Ainda segundo a nota, Ana Amélia acredita que a ocupação da propriedade pelo MST foi uma retaliação por seu voto favorável ao impeachment da presidente Dilma Rousseff, de quem o movimento é simpatizante.

Nas eleições de 2014, a terra foi alvo de polêmica, porque, na época, estava no espólio de Cardoso e não foi declarada na lista de bens da candidata à Justiça Eleitoral. Por ser casada em comunhão total de bens com Cardoso, alguns opositores defenderam que Ana Amélia herdou parte da fazenda automaticamente e, por isso, o terreno deveria ter sido mencionado.

Confirma a nota da senadora na íntegra:

“Esclareço que a fazenda Saco de Bom Jesus, localizada em Formosa (GO), alvo de invasão pelo MST na madrugada desta quinta-feira (8), foi vendida em 2014, e o processo de transferência ao novo proprietário está em fase de conclusão.

Essa propriedade rural fazia parte de um espólio no qual eu e as filhas do meu marido, Octávio Cardoso, falecido em 2011, éramos herdeiras. A venda ocorreu em agosto de 2014, conforme registro no Cartório 2º Tabelionato de Notas, em Itumbiara (GO), e foi declarada no imposto de renda de todos os herdeiros na declaração seguinte, como determina a lei.

A área já havia sido alvo de outras denúncias caluniosas por parte do mesmo grupo, na campanha eleitoral de 2014, no Rio Grande do Sul. O Procurador-Geral da República determinou o arquivamento desse processo pela improcedência da denúncia.

Lamento que seja uma retaliação do MST pelo meu voto favorável ao impeachment. Essa é a reação antidemocrática por não aceitarem a decisão tomada pelo Senado Federal.

Lamento muito os prejuízos e os transtornos que enfrentam os novos proprietários e espero que essa situação possa ser resolvida brevemente, de forma legal e pacífica. Confio na justiça para uma rápida e justa solução.

Senadora Ana Amélia (PP-RS)”
Conteúdo Zero Hora/Cristalvox

%d blogueiros gostam disto: