Jairo Jorge, prefeito petista de Canoas/RS é investigado por fraude eleitoral

Atual prefeito de Canoas, Jairo Jorge é investigado pela Polícia Federal. Petista é suspeito de envolvimento em esquema de repasse de dinheiro de empresas para campanha de aliada, Beth Colombo. A matéria está publicada em Zero Hora e é assinada pela jornalista Débora Ely


Este conteúdo é produzido por CristalVox. Apoie nosso trabalho curtindo nossa página

O acirramento do embate em Canoas está diretamente relacionado a uma operação da Polícia Federal (PF) que investiga, entre outras pessoas, o prefeito da cidade, Jairo Jorge (PT), por indícios de caixa 2 na campanha de sua vice, Beth Colombo (PRB). O petista é suspeito de envolvimento em um esquema de repasse de dinheiro de empresas que mantêm contratos com a administração municipal para custear a eleição da aliada.

Há menos de duas semanas, a PF apreendeu R$ 526,7 mil no comitê da coligação Bloco do Orgulho Municipal (BOM) e na residência do então coordenador financeiro da campanha, Guilherme Ortiz. O tesoureiro ocupa cargos em comissão na prefeitura desde o primeiro mandato de Jairo. A suspeita é de que o dinheiro recolhido seja resultado de caixa 2.

A investigação começou depois de uma denúncia anônima, recebida no fim de agosto. À PF, o delator disse que havia financiamento de caixa 2 na campanha de Beth por meio de empresas que prestam serviços ao município e acrescentou que Jairo, como coordenador-

geral da campanha, seria o mentor da “empreitada criminosa”. O inquérito foi instaurado com manifestação favorável da Procuradoria Regional Eleitoral e autorização do Tribunal Regional Eleitoral.

Em 22 de setembro, dia em que agentes federais cumpriram as buscas, Ortiz havia recolhido dinheiro em endereços de Canoas e passado em uma agência bancária antes de se deslocar para o comitê. À polícia, preferiu se manter em silêncio. Em seguida, a coligação anunciou seu afastamento.

Ontem, Beth prestou depoimento à PF, em Porto Alegre. Ela repetiu a defesa da coligação ao informar que desconhece a origem do valor encontrado com o tesoureiro e repetiu que Ortiz é quem precisa prestar esclarecimentos. Na semana passada, Jairo Jorge garantiu que não tinha participação no gerenciamento da campanha de sua vice:

— Esses recursos não são da campanha, mas vamos fazer uma verificação, item por item. Não havia o conhecimento da candidata e nem da coordenação. Mas isso será informado à Justiça. Sou prefeito, tenho minhas atribuições e não participo do dia a dia, da administração e nem da parte financeira da campanha.

À PF, Beth confirmou que Jairo seria o coordenador-geral.  Em nota, o advogado do prefeito, Jader Marques, declarou que ainda não teve acesso à íntegra do inquérito, mas que “um primeiro olhar permite afirmar que não há qualquer elemento que estabeleça vínculo entre Jairo e os fatos”.

Ele acrescentou que o ex-tesoureiro atuava com autonomia e que o fato de o procedimento ter iniciado por denúncia anônima demonstra que haveria interesses políticos. ZH não conseguiu contato com Ortiz.

%d blogueiros gostam disto: