gilmar e estrela quebrada do PT

Fim do PT: Ministro Gilmar Mendes abre processo para extinguir o partido

O antagonista, as cinco da manhã publicou: ” Gilmar Mendes abriu um processo para cassar o registro do PT, informa a Veja. Se ficar comprovada a utilização de dinheiro roubado da Petrobras nas campanhas do partido, “a legenda ficará proibida de disputar eleições”.


Este conteúdo é produzido por CristalVox. Apoie nosso trabalho curtindo nossa página

Acontece que o post citado pelo antagonista sumiu do portal de Veja até 11h00 da manhã deste sábado.

As 11h10, Maurício Lima editor da coluna Radar republicou:

O PT corre o risco de sumir. O presidente do TSE, Gilmar Mendes, abriu um processo que pede a cassação do registro da sigla.

A razão? As revelações feitas pela Lava-Jato sobre o uso de recursos públicos nas campanhas do partido.

Se ficar comprovada a utilização desse dinheiro, a legenda ficará proibida de disputar eleições.

Mas o  site  247,  financiado por longos anos pelo PT, também publica na manhã deste sábado, 06 de agosto:

“Presidente do Tribunal Superior Eleitoral abriu processo em que pede a cassação do registro do Partido dos Trabalhadores e a extinção da sigla; com isso, o PT ficaria impedido de lançar candidaturas em quaisquer eleições; o motivo seria a suposta utilização de recursos da Petrobras nas campanhas do partido; o problema é que, por esse critério, teriam que ser fechados também PP, PMDB, PSB e PSDB, todos citados pela Lava Jato como partidos que se beneficiaram do chamado “petrolão”.

O ministro Gilmar Mendes, presidente do Supremo Tribunal Federal, entrou com uma ação em que pede a cassação do registro do Partido dos Trabalhadores e a cassação da legenda, segundo informa o jornalista Maurício Lima, na coluna Radar.

O motivo seria a suposta utilização de recursos desviados da Petrobras nas campanhas eleitorais do partido.

Se a ação avançar, o PT ficaria proibido de lançar candidatos em quaisquer eleições.

O problema é que todos os grandes partidos do País já foram envolvidos na Lava Jato.

O PP, por exemplo, foi quem indicou Paulo Roberto Costa, que tinha a missão de arrecadar para o partido.

O PMDB indicou vários diretores, incluindo nomes que foram presos, como Jorge Zelada e Nestor Cerveró, e seu principal nome, o interino Michel Temer, acaba de ser apontado como articulador de uma doação de R$ 10 milhões em dinheiro vivo pela Odebrecht (leia aqui).

Numa das fases mais recentes da Lava Jato, o foco foi a arrecadação de R$ 10 milhões pelo PSDB, por meio do ex-presidente da legenda, Sergio Guerra, para abafar uma CPI da Petrobras.

Ou seja: se houver isonomia, praticamente todos os partidos serão cassados no Brasil.”

Conteúdo  Antagonista, 247 e Cristalvox