Eleição fraudada: Delator confirma que propina “regou” a campanha Dilma/Temer em 2014

Em depoimento à Justiça Eleitoral nesta segunda-feira, 19, o executivo Otávio Azevedo, ex-presidente da Andrade Gutierrez, confirmou que houve pagamento de propina disfarçado de doação oficial à campanha presidencial de 2014 que elegeu Dilma Rousseff, segundo fontes que acompanham as investigações. A informação é dos jornalistas Beatriz Bulla e Rafael Moraes, do jornal O Estado de São Paulo.


Este conteúdo é produzido por CristalVox. Apoie nosso trabalho curtindo nossa página

O depoimento serve para instruir as ações contra a chapa formada por Dilma e pelo então candidato a vice, Michel Temer, que tramitam no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

De acordo com fontes ouvidas pelo Estado, Azevedo disse que a Andrade Gutierrez repassou R$ 15 milhões oriundos de propina pelas obras da construção da usina de Belo Monte ao diretório nacional do PT. Deste valor, cerca de R$ 1 milhão foi encaminhado pelo partido à campanha de Dilma de 2014.




Ele prestou depoimento em São Paulo ao corregedor-geral da Justiça Eleitoral, ministro Herman Benjamin, relator das investigações no TSE. O executivo Flávio Barra, ex-Andrade Gutierrez, também foi ouvido.

À Justiça Eleitoral, Azevedo afirmou que a empresa pagava propina de 2% sobre os valores de todos os contratos firmados com o governo federal.

Cobrança. Segundo fontes que acompanharam os depoimentos, Azevedo disse que a empresa doaria R$ 10 milhões à campanha de Dilma em 2014, mas dobrou o valor diante da pressão de Edinho Silva e Giles Azevedo – ex-ministro e ex-assessor da petista, respectivamente. A doação, segundo ele, servia para manter o “status quo” dos contratos com o governo.

O executivo foi questionado sobre a diferença entre a doação à campanha de Dilma e a realizada à campanha do então candidato à Presidência pelo PSDB, Aécio Neves. Segundo ele, no caso de Aécio não houve pedido em troca de contrapartida.

As ações no TSE foram propostas pelo PSDB no fim de 2014 e investigam suposto abuso de poder político e econômico. Se o TSE entender que houve desequilíbrio, pode retirar de Dilma, hoje cassada, o direito a disputar eleições. Para Temer, as investigações podem causar a perda de mandato. Procurada, a defesa de Dilma não se manifestou até a conclusão desta edição.

%d blogueiros gostam disto: