delcídio preso

Dinheiro da corrupção abasteceu campanha presidencial de 2014, confirma Delcídio no TSE

Todas as testemunhas arroladas pelo Ministério Público junto ao Tribunal Superior Eleitoral, na ação que investiga o uso de recursos oriundos do esquema de corrupção apurado pela Operação Lava Jato, contam a mesma história: A chapa Dilma/Temer foi financiada com dinheiro sujo.  Delcídio do Amaral, senador cassado foi a última testemunha ouvida no TSE. Foi contundente… Dinheiro das empreiteiras que construíram Belo Monte, objeto de sobre-preço, financiou Dilma e Temer.


Este conteúdo é produzido por CristalVox. Apoie nosso trabalho curtindo nossa página

Diz o Estadão:

“Delcídio confirma propina a chapa de 2014. Ao depor em ação no TSE, senador cassado diz que campanha presidencial de Dilma-Temer foi abastecida com recursos desviados de Belo Monte

Em depoimento prestado ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o senador cassado Delcídio Amaral (sem partido-MS) confirmou nesta terça-feira, 11, que a campanha vitoriosa da chapa Dilma Rousseff-Michel Temer à Presidência da República em 2014 foi abastecida com dinheiro desviado da construção da usina hidrelétrica de Belo Monte, segundo apurou o Estado com fontes próximas da investigação.

A fala de Delcídio reitera a acusação do executivo Otávio Marques de Azevedo, ex-presidente da Andrade Gutierrez, que já havia afirmado em depoimento que houve pagamento de propina disfarçado de doação oficial à campanha de 2014.

O Estado apurou que o senador cassado disse ter certeza de que recursos oriundos de propina abasteceram a campanha da chapa Dilma-Temer em 2014 e que seria pouco provável que a petista não tivesse conhecimento do esquema. Ainda de acordo com Delcídio, a maior parte do dinheiro desviado de Belo Monte teria ido para o PMDB.

O senador cassado já havia afirmado em delação premiada firmada com o Ministério Público Federal no âmbito da Operação Lava Jato que um esquema de desvio de dinheiro nas obras de Belo Monte abasteceu campanhas eleitorais do PT e do PMDB em 2010 e 2014.

O processo contra a chapa Dilma-Temer que tramita no TSE tem como origem uma ação proposta pelo PSDB que apura se houve abuso de poder político e econômico na última eleição presidencial.

Se os ministros do TSE entenderem que houve desequilíbrio nas eleições, podem tornar Dilma inelegível – já que o Senado, no processo de impeachment, manteve a aptidão da petista para concorrer em eleições. Em relação ao presidente Michel Temer, as investigações podem causar ainda a cassação do mandato.

Os advogados do peemedebista defendem na corte eleitoral que as condutas de Temer e Dilma sejam analisadas de forma separada. A defesa da presidente cassada nega que a campanha tenha sido abastecida com recursos ilícitos.

Na semana passada, o ministro do TSE Herman Benjamin, relator das ações que pedem a cassação da chapa formada por Dilma e Temer, negou o pedido da defesa da petista para realizar perícia complementar nas empresas contratadas pela campanha. Na decisão, o ministro considerou a solicitação “manifestamente protelatória”.