Delegados da PF ameaçam parar na olimpíada

DELEGADOS DA PF AMEAÇAM GREVE NAS OLIMPÍADAS DO RIO.  SE ACEITA, A GREVE DEVE COMEÇAR EM 1 DE AGOSTO, POR TEMPO INDETERMINADO


Este conteúdo é produzido por CristalVox. Apoie nosso trabalho curtindo nossa página

Os Jogos Olímpicos 2016 no Rio de Janeiro viraram moeda de barganha. Os delegados da Polícia Federal já andavam insatisfeitos com o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, por supostamente estar “fazendo uso político nas ações da PF”, mas agora declaram guerra de vez e ameaçam paralisações e greve geral na época das Olimpíadas.
Um ponto alto do descontentamento veio com a decisão de substituir três delegados que atuavam na Operação Lava Jato, na semana passada (Luciano Flores, Eduardo Mauat e Duílio Mocelin). Mas a relação estremeceu de vez nesta terça-feira, quando o Senado aprovou um pacote de oito projetos que reajusta os salários de diversas categorias do funcionalismo público, mas deixou os delegados de fora e eles se sentiram preteridos.

As propostas beneficiam servidores de mais de 40 carreiras públicas, mas não contemplaram a Polícia Federal. Os servidores da instituição já estavam negociando há meses com o Ministério do Planejamento e ficaram de fora. Segundo delegados, a proposta foi recebida com uma sinalização positiva, mas o governo vem relutando em cumprir o acordo de recomposição salarial da categoria.




Irritados com a situação, os delegados de PF já planejam paralisações por todo o país e até uma entrega coletiva dos cargos de chefia. O objetivo é demonstrar publicamente a insatisfação da PF com o governo federal.

O presidente da Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF), Carlos Eduardo Sobral, lançou edital na noite desta quarta-feira (13), a qual o Diário do Poder teve acesso, convocando assembleia com diretores regionais para o dia 18 de julho em seus respectivos estados. Os delegados vão decidir se iniciam paralisação imediatamente com indicativo de greve.

Se a paralisação for aceita será um dia inteiro na semana de 25 e 29 de julho. Se houver greve geral, os delegados vão cruzar os braços a partir do dia 1 de agosto, a quatro dias da abertura das Olimpíadas, por tempo indeterminado. Eles também vão decidir se entregam os cargos de chefia, tanto em delegacias como na administração.

Vale lembrar que a Polícia Federal é responsável pela segurança das delegações estrangeiras e dos chefes de estado que vão estar no Brasil para a abertura dos Jogos Olímpicos.

Conteúdo Diário do Poder

%d blogueiros gostam disto: