LULA, CHAVES E MADURO  - IRMÃOS CAMARADS ATÉ EM GRANDES NEGÓCIOS

Crime de “lesa pátria”: Dinheiro brasileiro “financiou ” eleição de Hugo Chaves na Venezuela

O professor Marco Antonio Villa, comentarista da Rádio Jovem Pan de São Paulo, toda a vez que se refere ao ex-presidente Luís Inácio da Silva, chama-o de “bandido”… “bandido da pior espécie’! O cristalvox  sabidamente tem uma orientação ideológica muito distante de Lula e de seus “cumpanheros”. Tem a absoluta convicção que a maioria dos apoiadores de Lula  se considera “intelectual de esquerda”. Gente “pequena” que leu apenas dois ou três livrinhos, fininhos, vazios de conteúdo. Adoradores de cartilhas muito mal traduzidas e de péssimo acabamento. Nesta sexta-feira, 14 de outubro de 2016, o editor  passa a integrar o “corajoso” grupo de brasileiros que tem a convicção e assume publicamente a ideia de que Lula é muito mais que um “bandido”… Que Lula é um “apátrida” sem nenhum escrúpulo. Que  é um sujeito totalmente desprovido de caráter.


Este conteúdo é produzido por CristalVox. Apoie nosso trabalho curtindo nossa página

A revista Veja que começa a circular eletronicamente no final desta sexta,  veicula  informação baseada em documentos oficiais  das chancelarias  do Brasil e da Venezuela, os quais dão conta que Luis Inácio Lula da Silva teve papel preponderante da eleição de 2012, em favor de Hugo Chaves. Que usou dinheiro dos brasileiros para financiar a ditadura chavista. Qualquer outro comentário deslustra a épica informação de Veja…

“Documento mostra como Lula atuou na reeleição de Hugo Chávez
Papéis sigilosos da Embaixada da Venezuela em Brasília dão detalhes de como o ex-presidente brasileiro fez lobby em favor de João SantanaDocumento mostra como Lula atuou na reeleição de Hugo Chávez

“Eu durmo tranquilo porque sei que Chávez está ali (na presidência), mas também, às vezes, perco o sono pensando que Chávez poderia perder as eleições de dezembro de 2012”, foi assim que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva manifestou sua preocupação com o desfecho das eleições na Venezuela, conforme relatou o então embaixador da Venezuela no Brasil Maximilien Arveláiz em um e-mail enviado para Caracas. O texto faz parte de um conjunto de documentos da diplomacia venezuelana ao qual VEJA teve acesso.

A conversa relatada por Arveláiz ocorreu na manhã do dia 24 de fevereiro de 2011, em um hotel de São Paulo. Lula havia deixado a presidência menos de dois meses antes. Segundo registrou o diplomata venezuelano, para Lula “uma derrota de Chávez em 2012 seria igual ou pior que a queda do muro do Berlim”. A revelação que sugere que o petista se ressentia do evento que marcou a derrocada do comunismo.

Como estratégia para tentar fortalecer Chávez na disputa eleitoral, Lula planejou a criação de um comando de campanha sediado no Brasil que ele coordenaria pessoalmente ao lado de José Dirceu. Além disso, Lula definia como “fundamental” a entrada da Venezuela no Mercosul. “Se conseguirmos o ingresso seria uma grande vitória política”, anotou Arveláiz.

O diplomata afirma que, além do lobby pelo ingresso no Mercosul, Lula avisou que enviaria João Santana (equivocadamente grafado nos documentos como Joel Santana) para coordenar a campanha presidencial de Chávez.

arte-venezuela

Trechos de telegrama diplomático redigido pelo então embaixador da Venezuela no Brasil Maximilien Arveláiz, em 2011. Lula plantou o marqueteiro João Santana (grafado como Joel no documento) na campanha chavista (Arte VEJA/Documento mostra como Lula atuou na reeleição de Hugo Chávez)

Em maio de 2011, Arveláiz enviou ao então chanceler Nicolás Maduro um telegrama que voltava a tratar das questões eleitorais registradas pela diplomacia venezuelana quatro meses antes. Ele ressaltava que Lula desembarcaria em Caracas para um evento patrocinado pela Odebrecht que seria aproveitado pelo brasileiro para uma reunião privada para tratar da eleição.

Deu certo. Em 2012, João Santana comandou a vitória de Chávez, que não chegou a tomar posse por causa de um câncer terminal. No ano seguinte, o marqueteiro fez a campanha de Nicolás Maduro, o atual presidente da Venezuela.

Relatório produzido pelo embaixador Arveláiz sobre encontro com o ex-presidente Lula

Relatório produzido pelo embaixador Arveláiz sobre encontro com o ex-presidente Lula (Arte VEJA/Documento mostra como Lula atuou na reeleição de Hugo Chávez)

O lobby internacional de Lula em favor de empreiteiras envolvidas no escândalo da Lava-Jato já é alvo de investigações das autoridades brasileiras. O que os documentos venezuelanos sugerem é que o ex-presidente fez muito mais que simplesmente indicar João Santana para a campanha venezuelana. Lula atuou como lobista em favor do marqueteiro.

Em agosto, uma reportagem de VEJA revelou que Santana prometeu ao MPF, dentro das negociações de sua delação premiada, informações que comprovariam como as empreiteiras OAS e Odebrecht, investigadas no escândalo do Petrolão e que possuíam contratos bilionários com o país vizinho, pagaram clandestinamente as despesas de campanha dos chavistas.

Na semana passada, Veja.com publicou trechos de um telegrama da diplomacia brasileira que comprovaram como Dilma Rousseff e Lula atuaram para cooptar o Congresso do Paraguai para que aprovasse a entrada da Venezuela no Mercosul.