Brasileiros jogados à própria sorte: Manual de Maringhela é o guia de terroristas urbanos

O Cristalvox de forma reiterada chama a atenção das autoridades de segurança e dos “analistas” sociais para o crescente protagonismo de grupos radicais nas manifestações politicas nas ruas do Brasil. As ações são claras e o objetivo é desestabilizar o Estado. Os atores, mesmo mascarados, podem, a qualquer momento ser identificados. Isso só não ocorre porque os gestores encarregados de manter a Lei e a Ordem não agem como manda a Lei.  Estamos caminhando perigosamente para um “teatro de operações” no qual os bandidos já estão posicionados e a sociedade é refém  e está abandonada e jogada à própria sorte.

O jornalista Cláudio Humberto no Diário do Poder é pontual no que escreve hoje, 14 de dezembro: “A lei antiterrorismo ironicamente foi sancionada em março pela então presidente Dilma Rousseff, do governo do PT, e teve como principal objetivo dar mais segurança à realização dos Jogos Olímpicos no Rio. A norma, porém, sempre foi vista com receio por movimentos sociais pela possibilidade de ser usada contra quem fosse preso durante manifestações violentas, como a desta terça-feira.

Segundo a Secretaria de Segurança do DF, a manifestação foi pacífica até por volta de 17h – a PEC foi aprovada no 2º turno no Senado às 13h32. Depois disso, gripos armados de porretes, barras de ferro, coquetéis molov e rojões atacaram policiais, depredaram equipamentos públicos e queimaram ônibus. Pelo menos oito PMs ficaram feridos.

Um grupo de “manifestantes” fazia “vigília”, na noite da terça-feira em frente ao Departamento de Polícia Especializada, no Sudoeste de Brasília, onde estava a maioria dos detidos. Apenas advogados e um grupo de parlamentares foram autorizados a entrar no local.