getulio dilma e cunha

Agosto, mês do desgosto e da cassação de Dilma e Cunha

carlos chagas

Carlos Chagas, um dos mais experientes jornalista em atividade no Brasil lembra Getúlio Vargas e sugere que se preste muita atenção no AGOSTO… Dilma e Cunha perderão seus mandatos!


Este conteúdo é produzido por CristalVox. Apoie nosso trabalho curtindo nossa página

“Primeiro, as Olimpíadas, com toda a carga de euforia pelas medalhas que serão raras e por temor de atos de terrorismo que não deverão acontecer.

Depois, o desembarque de Dilma Rousseff do noticiário político, com a confirmação de seu impeachment, pelo Senado, sem esquecer a despedida de Eduardo Cunha. Ambos trazem na bagagem o ônus de seus erros. Em seguida, o início da campanha pelas eleições municipais de outubro, com a frustração por seus resultados.
Caso não sobrevenham surpresas, só nesses limites agosto terá ido para o espaço, até marcando o início real do governo Michel Temer, suas bondades e suas maldades.

Terá o Brasil entrado nos eixos? Desafortunadamente, não! A verdade é que permanecerá sobre o país a sombra da corrupção, capaz de implodir quaisquer boas intenções. Essa é a diferença entre o agosto que já chega e os meses que já se foram neste ano malfadado. Porque crises se verificaram nos meses de agosto, em volume invulgar.

Nos primeiros dias do mês, em 1954, Gregório Fortunato tramou o assassinato do jornalista Carlos Lacerda por um pistoleiro, ignorando-se até hoje se existiram mandantes acima do chefe da Guarda Pessoal de Getúlio Vargas. Foi o rastilho aceso para atingir o barril de pólvora. Matou-se o presidente da Republica por conta da campanha das elites empenhadas em desmoralizá-lo e afastá-lo do poder. O tiro no peito serviu para protelar por dez anos o golpe depois desferido contra seu herdeiro político, João Goulart.

Por que, no limiar de um novo agosto, recordam-se pesadelos como aqueles? Porque esse mês carrega potenciais de retrocesso e de tragédia acima dos demais. Seria bom prestar atenção, quando nada para evitá-las.”

Publicado no Diário do Poder