STF só prende Renan, Cunha Sarney e Jucá com o aval dos militares

Quem imagina em independência e autonomia do Supremo Tribunal Federal diante do “devastador cenário político” que o Brasil está a testemunhar,  se engana por completo.  Nenhuma decisão da magnitude de ordenar a prisão do presidente do Senado Renan Calheiros, do presidente afastado da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha, do presidente do PMDB, senador Romero Jucá e do ex-presidente José Sarney terá curso se os comandantes militares não forem  avalistas, invocado o artigo 142 da Constituição Federal.


Este conteúdo é produzido por CristalVox. Apoie nosso trabalho curtindo nossa página

Sem jactar-se, o Cristalvox produziu posts nas últimas 96 horas informando que Renan, Cunha, Janot e Sarney seriam presos. Foi além: Informou que decidida a prisão física de,  ao menos três atores – Renan, Cunha e Jucá – esses seriam recolhidos a uma organização militar em Brasília. Provavelmente ao Batalhão Logístico, o menos operacional das  unidades do comando militar do Planalto. Sarney, dada a sua condição de saúde e idade, teria a prisão decretada sob o regime “domiciliar”, com uso de tornozeleira eletrônica.

O Ministro Teori Zavaski sabe muito mais do que foi publicado sobre a delação de Sérgio Machado e seus 03 filhos. O Cristalvox tem informações sobre o conteúdo de ao menos uma das “confissões” da família Machado. É possível afirmar que o PCC, comandado por Marcola trata-se de uma “trup infantil” diante da quadrilha instalada na Transpetro. Sérgio Machado não agia sozinho. Tudo era planejado em detalhes. Os valores “pilhados” da Transpetro beiram a casa de 2 bilhões de reais.

O ingresso dos militares no cenário político era apenas uma questão de tempo. Políticos ditos democratas, vestidos em pele de lobo, da direita e da esquerda, sempre rondaram os “muros do quartéis”. É só observar o comportamento de Jobim vestido de Marechal, e mais recentemente Wagner e Rebelo. Não se contiveram  ao assistir uma ordem unida.  Além de chegar às lágrimas,  tinham orgasmos “democráticos” ao se perfilarem diante da tropa.