Segurança esfarela no Rio há 45 dias da Olimpíada – Comando para-militar mata filho de oficial da Marinha

Com exclusividade a revista Veja informa que a Secretaria de Segurança do Rio foi avisada sobre plano de resgate de um importante traficante, internado no Hospital Souza Aguiar, 48 horas antes da ação para-militar. Ronaldo Luiz Marriel de Souza, filho de um oficial da Marinha que estava na unidade esperando atendimento morreu, vítima de tiros desferidos pelo comando crimionoso, integrado por mais de 20 homens armados com fuzis e granadas.


Este conteúdo é produzido por CristalVox. Apoie nosso trabalho curtindo nossa página

Leia a matéria completa assinadaopela jornalista Leslie Leitão,
“Mais de 20 bandidos armados com fuzis, pistolas e granadas invadiram o Hospital Souza Aguiar, no centro do Rio de Janeiro, e resgataram o traficante Nicolas Labre Pereira de Jesus, o Fat Family, na madrugada deste domingo. Irmão de Marco Antônio Pereira Firmino da Silva, o My Thor, um dos maiores líderes da facção Comando Vermelho (CV), o criminoso havia sido preso na tarde do dia 13, por agentes da Delegacia de Combate às Drogas (Dcod), no Morro Santo Amaro, no Catete, Zona Sul da cidade. No cerco, acabou baleado na cabeça e levado para o hospital. Na quinta-feira passada, a Polícia Civil avisou ao Centro Integrado de Comando e Controle (CICC) da secretaria de segurança pública que havia um plano para resgatar o traficante. Nada foi feito!

Na noite passada, o preço da omissão foi trágico. Ronaldo Luiz Marriel de Souza, filho de um oficial da Marinha que estava na unidade esperando atendimento morreu, e um PM e uma enfermeira foram baleados. Dois policiais militares apenas faziam a escolta do bandido. O alerta dado pela Polícia Civil foi emitido pouco depois das 20 horas da última quinta-feira, dia 15, como ‘informação A1’, que na classificação de órgãos de segurança significa de ‘alto nível de credibilidade’. De acordo com mensagens trocadas em grupos de policiais, às quais o site de Veja teve acesso, além do CICC, o aviso de que o plano de resgate estava sendo estudado partiu da Dcod e também foi repassado ao Cecopol (Centro de Comunicações e Operações Policiais) e à Assinpol (Serviço de Inteligência da Polícia Civil). Em seguida, a informação foi para a Subsecretaria de Inteligência (Ssinte) da secretaria de Segurança e para a cúpula da Polícia Militar, que é a responsável pela custódia de criminosos hospitalizados.

Segundo testemunhas, os bandidos chegaram em pelo menos quatro carros por volta das 3h e renderam o dono de uma barraca de doces. Ele foi feito de escudo humano. Logo que invadiram o hospital atirando e arremessando granadas, os criminosos foram em direção ao sexto andar, onde Fat Family estava internado. Com uma enfermeira feita de refém, eles chegaram à sala onde o traficante estava internado. Para se ter ideia da falta de controle sobre quem o visitava, várias fotos feitas com telefones celulares de visitantes começaram a pipocar nas redes sociais nos últimos dias. Os bandidos deixaram um rastro de violência no hospital de referência no atendimento de emergência da cidade que vai ser a sede da Olimpíada daqui a 45 dias. Detalhe: a unidade fica a cerca de um quilômetro do Batalhão de Choque da PM e da sede da Polícia Civil, e a 500 metros do prédio da secretaria de segurança, onde trabalha diariamente o secretário José Mariano Beltrame.