Nova crise política: Lava Jato sobe, de novo, a rampa do Palácio do Planalto

Com a chamada:  ” A crise volta ao Planalto” a revista Veja deste final de semana,  traz à tona a informação de que o “delator” Sérgio Machado “entregou” Michel Temer. Em troca, para não ser preso, o ex- presidente da Transpetro criou um cenário de terra arrasada. Embora sendo um servidor do governo petista, Machado preferiu atirar só contra aliados, todos eles na cúpula do PMDB.


Este conteúdo é produzido por CristalVox. Apoie nosso trabalho curtindo nossa página

Diz a Veja: “Depois de sitiar o governo de Dilma Rousseff e desmascarar os líderes do PT, a Lava Jato fecha o cerco à cúpula do PMDB e dispara a primeira acusação direta contra o presidente interino Michel Temer

Michel Temer, presidente interino da República, foi acusado pelo delator Sérgio Machado de ter pedido 1,5 milhão de reais para um candidato de seu partido, ciente da origem ilícita do dinheiro

O país começou a conviver com dois Michel Temer desde a semana passada. O primeiro está promovendo uma agenda positiva na economia, formou uma equipe de excelência comprovada e acaba de apresentar uma proposta de emenda cons­titucional para definir um teto para o crescimento do gasto público. O segundo está agora às voltas com uma acusação dura.

O delator Sérgio Machado, em depoimento aos investigadores da Lava-Jato, disse que o presidente interino lhe pediu 1,5 milhão de reais durante um encontro na Base Aérea de Brasília, em setembro de 2012, para a campanha de Gabriel Chalita, então no PMDB, à prefeitura de São Paulo. O dinheiro foi repassado pela Queiroz Galvão na forma de doação eleitoral, numa tentativa de dar à transação ares de legalidade. Às autoridades, Machado confessou que a verba não tinha origem lícita. Era propina. E Temer, que encomendara a mercadoria, tinha plena consciência disso. A acusação é forte, mas, do ponto de vista jurídico, tende a morrer na praia, já que Temer não pode ser investigado por atos estranhos ao mandato.

Conteúdo Veja