Brasília(DF), 12/05/2016 - Posse dos ministros do governo Michel Temer - Na foto o presidente Michel Temer e Alexandre de Moraes - Foto: Daniel Ferreira/Metrópoles

Ministro da Justiça de Temer sofre de incontinência verbal. Vai sair! diz Estadão em duríssimo Editorial

O ministro da Justiça e Cidadania, Alexandre de Moraes, não tem mais condições de permanecer no cargo, se é que algum dia as teve. Temer não pode ter ministros que sofrem de incontinência verbal e exploram a visibilidade de seus cargos de maneira oportunista.


Este conteúdo é produzido por CristalVox. Apoie nosso trabalho curtindo nossa página

Seu despreparo para tão importante função já estava claro havia algum tempo, mas o episódio em que ele antecipou a realização de operações da Polícia Federal (PF) no âmbito da Lava Jato, justamente na véspera da prisão do ex-ministro petista Antonio Palocci, teria de servir como gota d’água para sua dispensa, em razão de tão gritante imprudência. Infelizmente, porém, o presidente Michel Temer, sabe-se lá por que razões, preferiu contemporizar, correndo o risco de ter de enfrentar novas crises em razão do comportamento irresponsável de Moraes. No momento em que precisa demonstrar ao País que seu governo está à altura do desafio de superar o desastre herdado da administração lulopetista, Temer não pode ter ministros que sofrem de incontinência verbal e exploram a visibilidade de seus cargos de maneira oportunista.

É bom que se diga, desde já, que não há nenhuma razão para concluir que Alexandre de Moraes tinha mesmo alguma informação privilegiada a respeito da operação que prendeu o ex-ministro Palocci. Embora a Polícia Federal lhe seja subordinada, o ministro da Justiça não tem acesso antecipado a detalhes das operações em curso, conforme informou a PF em nota. Somente “nos casos que possam demandar sua atuação”, diz a nota, é sugerido ao ministro apenas “que não se ausente de Brasília”. Segundo a PF, esse foi o padrão nas “quase 500 operações deflagradas este ano”, em que “somente as pessoas diretamente responsáveis pela investigação têm conhecimento de seu conteúdo”.




Mesmo a informação de que, dois dias antes de dar a declaração sobre a Lava Jato, Alexandre de Moraes se encontrou com o superintendente regional da Polícia Federal em São Paulo, Disney Rosseti, conforme consta da agenda do ministro, não basta para que se infira que teve conhecimento antecipado da prisão de Palocci. Afinal, é parte da rotina do ministro da Justiça encontrar-se com os chefes da PF.

Nada disso, porém, diminui a gravidade do que houve. Não cabe ao ministro da Justiça jactar-se das operações da PF como se delas fosse o líder. Tal comportamento já seria impróprio em circunstâncias rotineiras, mas Alexandre de Moraes resolveu adonar-se da Lava Jato em plena campanha eleitoral, exibindo-a como troféu para ajudar um candidato. Como agravante, a reunião política na qual o ministro falou demais ocorreu em Ribeirão Preto, justamente o reduto eleitoral de Palocci.

Alexandre de Moraes diz que tudo isso foi uma enorme e infeliz coincidência. Em primeiro lugar, segundo sua versão, operações relativas à Lava Jato ocorrem regularmente, razão pela qual não seria difícil prever a realização de novas etapas. No caso de Palocci, é possível que até o próprio ex-ministro já estivesse preparado para a sua prisão, especialmente depois que o ex-ministro Guido Mantega foi detido. Logo, não era preciso ter informações privilegiadas para antecipar esses acontecimentos.

Tudo isso é bastante plausível, mas irrelevante. O maior problema é a inaptidão de Alexandre de Moraes, cuja vocação para o exibicionismo não combina com a discrição que o cargo de ministro da Justiça exige. Essa inclinação já havia ficado clara quando Moraes transformou em espetáculo a prisão de suspeitos de planejar atentados terroristas durante a Olimpíada, amplificando a ameaça em vez de tranquilizar a sociedade.

Mas só se surpreende com Alexandre de Moraes quem não o conhece. O paulistano teve a oportunidade de experimentar seu modo atabalhoado de trabalhar quando ele foi o “supersecretário” do prefeito Gilberto Kassab, entre 2009 e 2010, acumulando funções nos Transportes e nos Serviços. Naquele período, anunciou decisões sem comunicá-las ao chefe, teve de voltar atrás de medidas apressadas que atrapalharam o trânsito e, em meio a enchentes causadas pelo acúmulo de lixo em bueiros, disse que a cidade estava mais limpa do que nunca.

Só velhas relações de compadrio podem explicar como o dono desse desastroso currículo virou ministro da Justiça.

  • Editorial Estadão de 28 de setembro de 2016