Mercado reajusta para baixo expectativa de crescimento do Brasil em 2016

Economistas ouvidos pelo Banco Central estimam contração de 3,73% na economia brasileira no fim deste ano
Com a recessão prolongada no país, o mercado reajustou a estimativa para o crescimento da economia brasileira, rebaixando a contração de 3,66% para 3,73% ao fim de 2016. O boletim Focus, que reúne economistas de instituições financeiras para a projeção dos principais indicadores econômicos, mantém a expectativa de expansão do Produto Interno Bruto (PIB) – que é a soma das riquezas do país – em 2017, rejustando de 0,35% para 0,30%, segundo informações divulgadas nesta segunda-feira pelo Banco Central (BC).


Este conteúdo é produzido por CristalVox. Apoie nosso trabalho curtindo nossa página

A inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), foi reajustada pelo mercado de 7,31% para 7,28% para este ano. A projeção ultrapassa o centro da meta, que é de 4,5% com tolerância de 2 pontos. Para 2017, a estimativa permanece em 6%. Os números são superiores ao estimado no último Relatório de Inflação do BC, que projetou inflação de 6,6% este ano e de 4,9% em 2017. Já a taxa de câmbio sugerida pelos economistas caiu para R$ 4 no fim de 2016, abaixo dos R$ 4,15 estimados na semana passada.

A expectativa para a meta da Selic, que é a taxa básica de juros, passou de 14,25% a 13,75% ao ano. Foi a primeira redução na estimativa após oito semanas de manutenção. Na última quinta-feira (31), o diretor de Política Econômica do BC, Altamir Lopes, já adiantou que não deve haver redução da Selic. Para 2017, o levantamento manteve a expectativa de que 12,50%.  Foto: Rogério Casssimiro/ÉPOCA)