Mercado prevê queda maior do PIB e alívio na inflação e no dólar em 2016

Segundo boletim Focus, do BC, estimativa para o PIB passou de retração de 3,88% para queda de 3,89% este ano. Já para o IPCA, projeção passou de alta de 6,98% para 6,94%


Este conteúdo é produzido por CristalVox. Apoie nosso trabalho curtindo nossa página

O mercado financeiro passou a ver uma queda mais acentuada do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil, segundo o último boletim Focus, divulgado nesta segunda-feira, pelo Banco Central (BC). A estimativa passou de uma retração de 3,88% para um recuo de 3,89%, na décima quinta piora seguida deste indicador.
Confirmada a expectativa, esta seria a maior retração desde 1990, quando houve baixa foi de 4,35%. Além disso, também marcaria a primeira vez que o país registra dois anos consecutivos de queda da economia, segundo a série histórica oficial, do IBGE, que começa em 1948. Em 2015, o PIB teve queda de 3,8%.
Para 2017, os economistas das instituições financeiras melhoraram a previsão de alta de 0,30% para 0,40%.
Já para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do país, o mercado prevê um alívio para este ano. Antes, a estimava da inflação era de 6,98% e agora, de 6,94%. Foi a oitava queda seguida do indicador.
Apesar da melhora, a previsão de inflação ainda permanece acima do teto de 6,5% da meta do governo para 2016 e bem distante do objetivo central de 4,5%. Para 2017, a estimativa do mercado financeiro para o IPCA também melhorou, passando de 5,93% para 5,80%.
Para o fim de 2016, a estimativa do mercado para a Selic se manteve em 13,25% ao ano. Já para o fechamento de 2017, a estimativa baixou de 12,00% para 11,75% ao ano.
No caso do dólar, a projeção para a taxa de câmbio no fim de 2016 passou de 3,80 reais para 3,72 reais. Para 2017, a previsão também recuou, passando de 4 reais para 3,91 reais.

Conteúdo Veja