Marqueteiro de Dilma “cede” à delação, “chora” na cadeia e “acaba” com o governo petista

Não tem mais volta. O tempo de Dilma Rousseff como presidente do Brasil acabou. Mônica Bérgamo informa nesta segunda, 27, que João Santana deve admitir que recebeu dinheiro por caixa dois para campanha de Dilma. O Cristalvox complementa: A delação já está alinhavada e pronta para ser “selada”. Será levada para “homologação” de Teori Zavascki, uma vez que envolve Dilma Rousseff.


Este conteúdo é produzido por CristalVox. Apoie nosso trabalho curtindo nossa página

Embora o marqueteiro  deixe vazar que está resistindo a fazer delação premiada,  será difícil ele contestar os indícios colhidos pela Operação Lava Jato que mostram pagamentos feitos a ele para a campanha de 2014.

Mônica Moura, mulher de Santana e também presa na Operação Lava Jato, já disse a procuradores que empresas contribuíram para a campanha de Dilma no caixa dois. Ela, com informações de fontes oficiais,  está fazendo delação premiada.




Santana está trabalhando na faxina do complexo penal em que está detido. Ele tenta também dar aulas de inglês. Os dias trabalhados são descontados das penas que os presos têm que cumprir.

Na entrevista que deu à Folha, em maio, Dilma Rousseff foi questionada se teria conversado com Marcelo Odebrecht, da empreiteira Odebrecht, ou com João Santana sobre contribuições via caixa dois para a campanha de 2014. “Se eu paguei R$ 70 milhões [oficialmente a Santana], onde é que está o caixa dois?”, respondeu a presidente afastada, negando também diálogos com o empresário

Dilma disse também que se considera amiga de Santana. “Ainda gosto bastante do João. Fico muito triste às vezes [por causa da prisão do marqueteiro]. Porque eu acho que ele é uma pessoa com um caráter muito bom, uma pessoa correta.” E acrescentou: “Eu não nego que tenho amigo quando o amigo fica na dificuldade, não. Ele é meu amigo”.

Sobre Mônica Moura, a presidente afirmou: “Eu não convivia com ela. Eu convivia com ele. Meu amigo é ele”.