Lava Jato – MPF encontra digitais de Lula no cadáver de Celso Daniel

Lula, Bumlai, Banco Schain, Delúbio Soares foram peças-chave na montagem da “engenharia” para calar Ronan Pinto que publicamente chantageava todos,  avisando que  sabia nome e cpf dos autores da morte de Daniel.


Este conteúdo é produzido por CristalVox. Apoie nosso trabalho curtindo nossa página

Durante a semana, andando em paralelo com as notícias do afastamento de Eduardo Cunha da presidência da Câmara, da admissão do processo de impeachment de Dilma pelo Senado,  transitou a informação de que os Procuradores da República destacados na Lava Jato tinham convocado uma coletiva para a tarde da sexta, dia 06.

Inicialmente se imaginou um relato sobre um grande numero de prisões perpetradas na manhã da sexta, uma vez que as celas da PF em Curitiba, haviam sido esvasiadas na véspera e tudo indicava para a deflagração da 30ª fase da Lava Jato.  A especulação definia tudo como uma “robusta” operação.  Diferente do que se cogitou, ninguém foi preso e a frota de “ubers” da Polícia Federal não saiu das garagens.




Na coletiva, além da comunicação do indiciamento do ex-senador da República Gin Argelo e sua “trup”, acusados de achacar empreiteiras e empresários, os Procuradores tinha reservado “um presente” para o País: Informar da convicção e certeza de que as digitais do ex-presidente do Brasil, Luis Inácio Lula da Silva estavam gravadas no cadável de Celso Daniel, assassinado com requintes de crueldade após ter sido sequestrado.
Com a prisão de Ronan Pinto, acusado de “chantagear” Lula e o o núcleo duro do PT – relato de conhecimentio público desde o mensalão – quando Marcos Valério “entregou” a operação abafa. Agora, após longas horas de interrogatório,  os Procuradores começam a desvendar,  na inteireza,  o episódio que culminou com a morte do ex-prefeito de São Bernardo, Celso Daniel.

6 milhões  de reais calaram Ronan Pinto… por um tempo!