JOSÉ SARNEY CONFESSA: ODEBRECHT PAGOU CAMPANHA DE DILMA COM “CAIXA DOIS”

Devastador o conteúdo das gravações reveladas pelo Jornal Folha de São Paulo.  Surge novos detalhes: O mais importante está concentrado na conversa mantida entre  o ex-presidente José Sarney,  o maior cacique vivo do PMDB e o delator  Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro. Sem nenhum cuidado, pois não sabia que estava sendo gravado, Sarney não faz rodeios em afirmar que, pessoalmente a presidente afastada Dilma Roussef interferiu para que a Construtora Odebrecht realizasse pagamentos ao marqueteiro João Santana, preso em Curitiba, para quitar dívidas de campanha.  Dinheiro sujo desviado da Petrobrás e outras obras financiadas pelo governo brasileiro.


Este conteúdo é produzido por CristalVox. Apoie nosso trabalho curtindo nossa página

Nesse caso, não se está tratando de um “informante” desqualificado.  José Sarney é o mais longevo dos políticos “forjados” pelo governo militar que assumiu o poder em 1964.  Brasília conhece muito bem o poder que o ex-presidente exerce na esplanada dos ministérios. Nenhuma indicação feita pelo PMDB, para que filiados integrassem os governos petistas de Lula e Dilma ocorreu sem a “benção” de Sarney. Ele é uma espécie de Papa do PMDB.

As “confissões”  de José Sarney de  que a Construtora Odebrecht possui uma metralhadora giratória, calibre 50, pronta para ser acionada, representa “um prenúncio” que nada ficará em pé nas cúpulas partidárias do PT, PMDB e PP.  Sabe “a velha raposa” da “gana” que toma conta do coração de Emílio Odebrecht por ver seu filho Marcelo Bahia recolhido a uma prisão comum há quase um ano, em Curitiba.

José Sarney não pensou duas vezes em afirmar ao “delator Machado” que o patriarca do Clã Odebrecht  vai sair atirando para todo lado e quem ninguém se salvará, pois  Emílio tem munição para uma longa e sangrenta guerra, e que os infiéis serão os primeiros a ser executados. Leia-se Lula e Dilma!