Jandira Feghali vai processar o jornalista Lauro Jardim. Recebeu dinheiro sujo da Queiróz Galvão!

Lauro Jardim publicou ontem, quarta, 08 de junho em sua coluna do Globo: ” Um dos ícones da esquerda na Câmara, Jandira Feghali (PCdoB-RJ) vai ter muita dor de cabeça quando for levantado o sigilo da delação premiada de Sérgio Machado.  Jandira aparece como uma das recebedoras de recursos captados por Machado junto a empresas fornecedoras da Transpetro. Machado conseguia o dinheiro como contribuição eleitoral oficial para suas campanhas.


Este conteúdo é produzido por CristalVox. Apoie nosso trabalho curtindo nossa página

Assim como ocorria com o petista Luiz Sérgio, Jandira pediu ajuda diretamente a Machado, de acordo com o que consta da delação.   Machado contou que, a partir da solicitação de Jandira, conseguiu uma ajudazinha da Queiroz Galvão para a atual candidata do PCdoB à Prefeitura do Rio de Janeiro.

A propósito, no dia em que o grampo que Machado fez com Romero Jucá foi divulgado (e o ministro demitido), Jandira foi, como de hábito, para o ataque. Disse Jandira numa postagem ao vivo no Facebook, pedindo a prisão de Jucá: ” — O que se tem que fazer no Brasil agora é usar, do mesmo jeito que usaram contra o senador Delcídio Amaral, usar com o senador Romero Jucá.”

Em suas duas últimas eleições, 2010 e 2014, Jandira recebeu doações da UTC, Keppel Fels, Brasfels e Queiroz Galvão, todas empresas envolvidas na Lava-Jato.

À tarde a deputada publicou sua versão no site  Portal Vermelho: ” É natural, portanto, que ao procurar recursos para as minhas campanhas, diante da regra que permitia doações das empresas, eu buscasse os parceiros desta luta. Fui apoiada em diversas campanhas por empresas que reconheceram em mim uma defensora da indústria naval. Não por esquemas, desvios em licitações ou pela busca de enriquecimento ilícito com aumento de patrimônio.

As doações são públicas e registradas, os pedidos foram transparentes. A própria matéria, diferente do que anuncia seu título, afirma que as doações foram oficiais e afirmo que a única recebida pela Queiroz Galvão, em 2014, foi por meio de meu partido e não via Sérgio Machado.

Não tenho, pois, qualquer dor de cabeça pois sempre estive dentro da legalidade e da publicidade oficial dos pedidos e apoios. Apesar disso, é sintomático que esta notícia, de forma descontextualizada, seja publicada no momento em que toma corpo minha pré-candidatura à prefeitura do Rio de Janeiro, com chances de vitória.

As insinuações contidas na nota veiculada pelo jornalista Lauro Jardim serão objeto de medidas judiciais cabíveis.

Provocações e distorções respondo com a verdade.

Jandir Feghali
Deputada Federal PCdoB-RJ”