Economia Contas públicas têm pior fevereiro desde 2001

Depois de iniciar ano com superávit, fevereiro registra déficit de R$ 23,04 bilhões nas contas consolidadas do setor público.


Este conteúdo é produzido por CristalVox. Apoie nosso trabalho curtindo nossa página

por PAULA SOPRANA

As contas do setor público consolidadas, que incluem governo federal, estados, municípios e empresas estatais (com exceção de Petrobras e Eletrobras), registraram o pior resultado para fevereiro em 15 anos, desde o início da série histórica do Banco Central (BC). O déficit primário registrado no mês passado foi de R$ 23,04 bilhões. Em janeiro, o resultado havia sido positivo em R$ 27,9 bilhões, mas as despesas voltaram a ser maiores do que a receita.

A recessão prolongada da economia brasileira diminuiu o consumo, a arrecadação, gerou queda no emprego e na renda da população. Nesse quadro, o governo federal apresentou déficit de R$ 26,4 bilhões, e os governos regionais e as empresas estatais, superávits respectivos de R$ 2,7 bilhões e R$ 662 milhões.

No ano, o superávit primário – a economia para pagamento dos juros da dívida pública – acumulado é de R$ 4,9 bilhões, ante superávit de R$ 18,8 bilhões no primeiro bimestre de 2015. No acumulado em 12 meses, há déficit primário de R$ 125,1 bilhões (2,11% do PIB). A dívida líquida do setor público alcançou R$ 2,18 bilhões (36,8% do PIB) em fevereiro, 1 ponto percentual acima do conferido no mês anterior.

A dívida bruta do governo geral (governo federal, INSS, governos estaduais e governos municipais) alcançou R$ 4,01 bilhões em fevereiro (67,6% do PIB), elevando-se 0,2 pontos percentuais em relação ao mês anterior.

>> Dívida pública avança para R$ 2,8 tri em fevereiro

Na última semana, o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, enviou ao Congresso Nacional um projeto de lei para alterar a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e, com isso, permitir que as contas do governo central tenham um rombo de até R$ 96,6 bilhões em 2016.

No projeto, a equipe econômica do governo reduziu de R$ 24 bilhões para R$ 2,8 bilhões a meta de superávit primário para este ano. Caso 2016 encerre com déficit nas contas públicas, será o terceiro ano seguido do país no vermelho. Em 2014, o déficit foi de R$ 32,5 bilhões e, em 2015, o rombo foi recorde, com R$ 111 bilhões. (uol)