Dilma agoniza por incapacidade da sua equipe, diz Pedro Simon

Michel Temer precisa de apoio político, para o caso de assumir provisoriamente a Presidência, com o possível afastamento da presidente Dilma Rousseff. No curtíssimo prazo, para garantir votos pelo afastamento definitivo. Num prazo também curto, para aprovar reformas urgentes. Para isso, é bom distribuir pastas. Mas Temer também precisa de credibilidade e qualidade de gestão. Não pode sucumbir ao clima de balcão de negócios que tornou o governo do PT refém de uma base pouco confiável. Para tanto, um time de notáveis é preferível. As duas qualidades são necessárias, não dá para escolher uma só. Qual privilegiar?


Este conteúdo é produzido por CristalVox. Apoie nosso trabalho curtindo nossa página

Em matéria assinada pela jornalista BEATRIZ MORRONE, editada por MARCELO MOURA, a revista Época  entrevistou Pedro Simon, ex-senador pelo PMDB/RS, reconhecidamente um dos mais experientes políticos da república para saber onde Dilma errou. A foto é de Anderson Astor.

ÉPOCA – Para seu possível ministério, Michel Temer deve indicar nomes que garantam apoio no Congresso ou deve privilegiar nomes “notáveis”, com credibilidade e experiência?
Pedro Simon – Deve haver o equilíbrio. A queda do governo da Dilma começou porque ela não nomeou capacitados. Um ministro precisa ser competente, e o governo precisa de maioria no Parlamento para ter condições de governar.




ÉPOCA – Aceitar no ministério pessoas investigadas por corrupção pode prejudicar Temer?
Simon – O país vive um momento muito delicado. Um possível governo Temer trabalhará sobre areia movediça. O PT não aceitará a derrota e fará uma oposição dura, drástica. Imagine se, no decorrer das investigações, algo contra algum de seus ministros é comprovado. A oposição não deixará barato. Temer deve evitar questões que possam enfraquecer seu governo. Caberá a ele escolher pessoas que tenham credibilidade total perante a sociedade para recomeçar com o pé direito.
Leia a entrevista completa
http://epoca.globo.com/ideias/noticia/2016/05/pedro-simon-queda-de-dilma-comecou-porque-ela-nao-nomeou-capacitados.html