Brasília TREME: Lava Jato aperta o cerco sobre ministros do STF e STJ

Dois ministros do STF estão na mira da operação Lava Jato. Seus nomes já são falados nos corredores da República.  Esse fato coloca em risco a democracia no Brasil. Trata-se de “nitroglicerina pura”, jura um deles! “declarações atribuídas a atentos advogados criminalistas que trabalham em Brasília.


Este conteúdo é produzido por CristalVox. Apoie nosso trabalho curtindo nossa página

O Cristalvox já tratou desse assunto no final de semana e os post envolvendo a decisão do Ministro Dias Tófolli em “liberar” Pauo Bernardo, ignorando instâncias judiciais, concedendo “habeas corpus de ofício” “ligou o dispositivo” que explodirá uma “petardo” de ” alta potência”. Soma-se a esse episódio, uma decisão do TRF do Rio de Janeiro, prolatada por um Desembargador Federal  – Antonio Ivan Athié –  que ficou 07 anos na “geladeira” acusado de estelionato e formação de quadrilha, que decidiu soltar Carlinhos Cachoeira.

Cláudio Humerto escreve no Diário do Poder desta segunda, 04 de julho:
“Os brasileiros devem enfrentar fortes emoções nas fases seguintes da Operação Lava Jato, previstas para este mês de julho. É que, após sacudir os poderes Executivo e Legislativo com as investigações, a força-tarefa do Ministério Público Federal e da Polícia Federal deve desembarcar em grande estilo no Poder Judiciário, segundo afirmam atentos advogados criminalistas. “Nitroglicerina pura”, jura um deles.




Nas rodas de conversa de juristas e políticos, em Brasília, discute-se a capacidade de a democracia brasileira não suportar o abalo sísmico.

Além dos acordos de leniência da OAS e de delação premiada do seu ex-presidente Leo Pinheiro, a de Marcelo Odebrecht promete barulho.

A demora no fechamento das delações da OAS e Odebrecht decorre do impacto já provocado entre os poucos que as conhecem.

Ainda há o escândalo da lista apreendida pela PF, em março, na casa de um funcionário da Odebrecht, onde aparecem mais de 300 políticos.